Prefeitura de Juripiranga lança o Programa Família Acolhedora.

Na noite desta terça-feira dia 28 de janeiro, o município de Juripiranga recebeu mais um serviço de cunho social, visando o bem estar de crianças e adolescentes. É que a Prefeitura de Juripiranga, através da Secretaria de Desenvolvimento Social do município apresentou oficialmente o Programa Família Acolhedora, um serviço de acolhimento provisório de crianças e adolescentes que se encontrem em estado de risco e vulnerabilidade social, buscando acima de tudo preservar a integridade física e psicológica dos pequenos.

A reunião para a apresentação do novo serviço aconteceu no Clube Recreativo Municipal e contou com a participação do prefeito de Juripiranga, Dr Paulo Dália Teixeira, da secretária municipal de desenvolvimento social, Marta Marinho, da coordenadora do Programa Família Acolhedora no município, Rosalina Diniz, representantes do Conselho Municipal de Crianças e Adolescentes, do Conselho Tutelar, gestores e coordenadores da rede municipal de ensino, vereadores, demais secretários municipais e servidores, além da população em geral.

A secretária de desenvolvimento social, Marta Marinha, fez a apresentação do programa e explicou que na prática se trata de um novo serviço implantado no município, detalhando que o mesmo buscará promover o acolhimento temporário de crianças e adolescentes afastados por hora de suas famílias biológicas por determinação do Poder Judiciário em decorrência de maus tratos e abusos sexuais cometidos por seus familiares, tendo para isso o cadastramento e preparação de famílias acolhedoras interessadas, que deverão seguir uma série de pré-requisitos. Ela também ressaltou os critérios para que uma família interessada esteja apta a se enquadrar no serviço, como por exemplo, que tenha comprovada idoneidade moral por meio de comprovante de antecedentes criminais dos membros da mesma, que não haja membro na família que faça uso de álcool ou drogas, que sejam residentes no município, que todos os membros de forma unânime concordem com o acolhimento, entre outros. Também explicou que após a inscrição das famílias interessadas, as mesmas passarão por entrevista com a psicóloga para aferir a capacidade e equilíbrio emocional dos indivíduos. Após a habilitação, as famílias que se candidatarem a acolher serão capacitadas e acompanhadas pela equipe do serviço. Também explicou que as famílias acolhedoras receberão um auxílio financeiro no valor de 600 reais, podendo aumentar em 50% em casos de acolhimento de crianças acometidas de câncer, síndrome de down, HIV, entre outros, deixando claro que cada família só poderá acolher uma criança, salvo nos casos de irmãos que não podem ser separados do convívio, e neste caso, as famílias acolhedoras receberão o auxílio de 600 reais por cada irmão acolhido.

O prefeito Dr Paulo Dália Teixeira em sua fala destacou o papel do programa Família Acolhedora, lembrando que o pontapé inicial para a implantação do serviço se deu após ele pessoalmente testemunhar um caso de família desestruturada no município onde as crianças necessariamente foram recolhidas do seio familiar por conta de maus tratos e levadas para uma casa de acolhimento na cidade de Ingá, onde as mesmas tinham uma boa estrutura, mas não tinham o principal, que eram os vínculos familiares, pela distância tanto entre as localidades,  como também  dos familiares e amigos.  Ele conclamou os presentes para que se tornem multiplicadores dando conhecimento a sociedade sobre o novo serviço para que o mesmo seja implementado no município e cumpra o seu papel social, que é o de proteger as nossas crianças e adolescentes do município.

O vereador Caio Neto também falou e enalteceu a iniciativa da implantação do programa no município e desejou que o mesmo sensibilize a população juripiranguense para que participem com responsabilidade deste trabalho de resgate e proteção das crianças e adolescentes.

O conselheiro tutelar Welington Oliveira também falou pontuando as dificuldades encontradas nas ruas pelos conselheiros tutelares na tentativa de solucionar problemas graves que envolvem crianças e adolescentes do ponto de vista da sua proteção social, elogiando a iniciativa de implantação do serviço por parte da gestão municipal, desejando que o mesmo consiga alcançar os seus objetivos.

Foi também aberto o espaço para que os presentes pudessem fazer perguntas sobre o novo serviço, onde as pessoas participaram com a secretária Marta Marinho tirando todas as dúvidas acerca do programa.

O prefeito encerrou a reunião mais uma vez desejando sucesso ao programa e convocando ao público presente que se transformem em multiplicadores do serviço, para que mais famílias se interessem e participem desta empreitada que objetiva proteger e dar uma melhor qualidade de vida as nossas crianças e adolescentes.

INSCRIÇÃO

A inscrição no Programa Família Acolhedora pode ser realizada na sede do CRAS , sendo totalmente gratuita e feita por meio de ficha de cadastro no programa, contando com uma equipe técnica de para tirar todas as dúvidas.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Documento de identificação (com foto) de todos os membros da família;

Certidão de Nascimento ou casamento de todos os membros da família;

Comprovante de residência (atualizado);

Certidão Negativa de antecedentes criminais de todos os membros da família que seja maiores de idade;

Comprovante de renda de pelo menos um membro da família;

Cartão do INSS (caso tenha);

Atestado médico que comprove saúde física e mental dos responsáveis.

 

Realização: Prefeitura de Juripiranga, Secretaria de Desenvolvimento Social do município.

 

COMPARTILHAR